• Kelly Rossi

O Estrangeiro e Reflexões sobre a Guilhotina - resenha


Título Original - L'Étranger

Autor - Albert Camus

Nacionalidade - Francês

Tradução - Valerie Rumjanek

Editora - Record

Gênero - Romance

Páginas - 126

Ano - 2020

ISBN - 9788501014863

Classificação - ⭐⭐⭐⭐⭐


Sinopse (orelha) - "Mersault leva uma vida banal; recebe, indiferente, a notícia da morte da mãe no primeiro parágrafo do romance (primeiro parágrafo antológico, diga-se de passagem); comete o crime; é preso; julgado; tudo gratuito, sem sentido, apenas mais um homem arrastado pela correnteza da vida e da História."


"SOB O BIGODE AMARELECIDO MASTIGAVA PEDAÇOS DE FRASES."


"HAVIA JÁ DUAS HORAS QUE O DIA NÃO PROGREDIA, DUAS HORAS QUE LANÇARA ÂNCORA EM UM METAL FERVILHANTE."


"TODOS OS SERES NORMAIS TINHAM EM CERTAS OCASIÕES DESEJADOS, MAIS OU MENOS, A MORTE DAS PESSOAS QUE AMAVAM."


"AROMAS DE NOITE, DE TERRA E DE SAL REFRESCAVAM-ME AS TÊMPORAS. A PAZ MARAVILHOSA DESTE VERÃO ADORMECIDO ENTRAVA EM MIM COMO UMA MARÉ."


"COMO SE ESTA GRANDE CÓLERA ME TIVESSE PURIFICADO DO MAL, ESVAZIADO DE ESPERANÇA, DIANTE DESTA NOITE CARREGADA DE SINAIS E DE ESTRELAS EU ME ABRIA PELA PRIMEIRA VEZ À TERNA INDIFERENÇA DO MUNDO. POR SENTI-LO TÃO PARECIDO COMIGO, TÃO FRATERNAL, ENFIM, SENTI QUE TINHA SIDO FELIZ E QUE AINDA O ERA."



Título Original - Réflexions sur la guillotine

Autor - Albert Camus

Nacionalidade - Francês

Tradução - Valerie Rumjanek

Editora - Record

Gênero - Filosofia

Páginas - 98

Ano - 2022

ISBN - 9786555874068

Classificação - ⭐⭐⭐⭐⭐


Sinopse - "Em Reflexões sobre a guilhotina, ensaio inédito no Brasil do vencedor do Prêmio Nobel, Albert Camus, o autor demarca sua posição contrária à pena de morte. O livro ainda conta com um prefácio à edição brasileira escrito por Manuel da Costa Pinto. Em 1914, o pai de Camus, descrito como um homem bom, comparece a uma execução pública. Após a decapitação do assassino, considerada por muitos uma pena “suave demais” por conta de seus crimes, ele volta para casa em choque, em completo silêncio, passa mal e vomita. Como essa “justiça” pode deixar um homem nesse estado?, questiona o autor argelino. O que há de errado com essa condenação?Esse é o ponto de partida de Reflexões sobre a guilhotina, ensaio em que Camus, um dos mais importantes pensadores do século XX, discute a pena de morte, em especial a morte na guilhotina. Para tanto, ele tece críticas a qualquer argumento em defesa da pena capital. Para Camus, numa sociedade dessacralizada não pode haver uma pena definitiva. Enquanto para a Igreja católica a pena de morte não é o fim – afinal, é provisória: o condenado é arrancado da sociedade, mas com chance de redenção no pós-vida –, na sociedade em que vivemos a pena capital é, sim, definitiva. É uma afirmação de que alguém é absolutamente mau enquanto a sociedade seria absolutamente boa, e coloca o juiz no lugar de Deus.Além disso, Camus argumenta que, para se acreditar que a morte na guilhotina teria um caráter exemplar, seria preciso partir do pressuposto de que a morte de um criminoso condenado num processo judicial, sujeito a falhas, impediria crimes que poderiam nunca ser cometidos. Ou seja, mata-se uma pessoa por uma hipótese.Camus percebe a pena de morte como nada mais que uma lei de talião da sociedade – um “olho por olho”. E vê nela uma contradição: como pode uma lei responder a um instinto natural quando o papel da legislação é justamente inibir os ímpetos mais animalescos da humanidade? Em sua análise, o Estado e a sociedade, mais que cúmplices, são responsáveis por essas mortes; Estado este que mata o indivíduo condenado à morte duas vezes: uma quando o condena e o faz viver com a expectativa do fim; outra quando de fato dá cabo à sua vida.A última morte por guilhotina na França aconteceu ainda no século XX, em 1977. O autor de grandes livros como O estrangeiro, A peste e O mito de Sísifo apontou as contradições dessa prática em 1957 em um contexto muito específico da França, mas seus argumentos reverberam ainda hoje em nossa sociedade."


"CHAMEMOS POR SEU NOME ESTA PENA À QUAL SE RECUSA QUALQUER PUBLICIDADE, ESTA INTIMIDAÇÃO QUE NÃO SE EXERCE SOBRE A BOA GENTE HONESTA, ENQUANTO O É, QUE FASCINA AQUELES QUE DEIXARAM DE SÊ-LO E QUE DEGRADA OU TRANSTORNA AQUELES QUE A ELA SE PRESTARAM. CERTAMENTE, ELA É UMA PENA, UM ESPANTOSO SUPLÍCIO, FÍSICO E MORAL, MAS NÃO OFERECE NENHUM EXEMPLO CERTO, SENÃO DESMORALIZANTE. ELA SANCIONA, MAS NÃO EVITA NADA, QUANDO NÃO DESPERTA O INSTINTO DO ASSASSINATO. ELA EXISTE COMO SE NÃO EXISTISSE, A NÃO SER PARA QUEM É ATINGIDO POR ELA, EM SUA ALMA, DURANTE MESES OU ANOS, EM SEU CORPO, DURANTE A HORA DESESPERADA E VIOLENTA EM QUE O CORTAM EM DOIS, SEM LHE SUPRIMIR A VIDA. CHAMEMO-LA POR SEU NOME, PELO QUE, À FALTA DE OUTRA NOBREZA, LHE DARÁ A VERDADE, E VAMOS RECONHECÊ-LA PELO QUE É EM SUA ESSÊNCIA: UMA VINGANÇA."


"TUDO ISSO PODE DURAR MINUTOS, ATÉ MESMO HORAS, NOS INDIVÍDUOS SEM DEFEITOS: A MORTE NÃO É IMEDIATA... DESTA FORMA, CADA ELEMENTO VITAL SOBREVIVE À DECAPITAÇÃO. SÓ RESTA AO MÉDICO A IMPRESSÃO DE UMA HORRÍVEL EXPERIÊNCIA, DE UMA CRIMINOSA VIVISSECÇÃO SEGUIDA DE UM ENTERRO PREMATURO."


"A PENA CAPITAL NÃO É SIMPLESMENTE A MORTE. ELA É TÃO DIFERENTE, EM SUA ESSÊNCIA, DA PRIVAÇÃO DA VIDA, TANTO QUANTO UM CAMPO DE CONCENTRAÇÃO DIFERE DA PRISÃO. ELA É, SEM DÚVIDA, UM ASSASSINATO E QUE PAGA ARITMETICAMENTE O CRIME COMETIDO. MAS ELA ACRESCENTA À MORTE UM REGULAMENTO, UM PREMEDITAÇÃO PÚBLICA E CONHECIDA PELA FUTURA VÍTIMA; ENFIM, UMA ORGANIZAÇÃO QUE, EM SI, É FONTE DE SOFRIMENTOS MORAIS MAIS TERRÍVEIS QUE A MORTE."


"A CIÊNCIA, QUE PRETENDE PROVAR TANTO A INOCÊNCIA QUANTO A CULPA, AINDA NÃO CONSEGUIU RESSUSCITAR AQUELES QUE ELA MATA."


"NÃO HÁ JUSTOS, MAS APNEAS CORAÇÕES MAIS OU MENOS POBRES DE JUSTIÇA. VIVER, PELO MENOS, PERMITE-NOS SABÊ-LO E ACRESCENTAR À SOMA DE NOSSOS ATOS UM POUCO DO BEM QUE VAI COMPENSAR, EM PARTE, O MAL QUE LANÇAMOS AO MUNDO."


Você sabia que existe uma grande circularidade nas obras de Camus?


A obsessão pela gratuidade e o acaso trágico pairam em seus textos absurdistas. Para Camus, o absurdo "é um confronto, uma oposição entre a necessidade de encontrar o significado da vida e o universo, personificado por uma sensação de estranheza e de mistério". O natural e o inacrediável se mesclam e se metamorfoseiam por seus livros.


Uma das únicas lembranças que Albert Camus tem de seu pai é através de um relato familiar sobre o episódio em que Lucien Camus vai assistir a uma execução pública em Argel e termina transtornado. Essa cena ganhou um valor simbólico ligada ao sentimento do absurdo e acabou sendo recorrente em diversos livros do autor.


Ao ler "Reflexões sobre a guilhotina", ensaio em que Camus discute a pena da morte, o leitor tem conhecimento dos pensamentos, valores e princípios que o autor tinha sobre o assunto. E consequentemente, é possível compreender de forma mais clara o que aconteceu com Mersault, o herói de "O Estrangeiro", que aparentemente tinha uma vida tão banal e sem sentido.


"O Estrangeiro" é uma obra cheia de camadas, que, assim como "Reflexões sobre a guilhotina", tem em seu cerne, a associação entre indivíduo e sociedade.


Não imaginei que fosse gostar tanto, mas amei as duas obras. Fiquei impactada com "O Estrangeiro" e aprendi muito com "Reflexões sobre a guilhotina".


Ambos os livros são curtinhos e possíveis de concluir em apenas um dia. Fica aqui a minha recomendação para quem gostaria de conhecer o autor.


Beijos, um ótimo voo a todos e até a próxima! 📚



Colabore com o blog: apoia.se/voandocomlivros







O livro está disponível nas melhores livrarias! Você também pode comprar sem sair de casa clicando na imagem ao lado. Comprando por esse link, você ajuda o blog sem pagar nada a mais por isso.


















O livro está disponível nas melhores livrarias! Você também pode comprar sem sair de casa clicando na imagem ao lado. Comprando por esse link, você ajuda o blog sem pagar nada a mais por isso.

79 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo