• Kelly Rossi

Pedro Páramo - resenha


Autor - Juan Rulfo

Tradução - Eric Nepomuceno

Editora - José Olympio

Gênero - Realismo Fantástico

Páginas - 176

Ano - 2020

ISBN - 9788503013550

Classificação - ⭐⭐⭐⭐⭐

Sinopse (orelha) - "O realismo fantástico como hoje se conhece não teria existido sem este livro. Desta fonte beberam o colombiano Gabriel García Márquez e o peruano Mario Vargas Llosa. A partir da combinação de dois elementos essenciais ao sucesso da literatura latino-americana - o realismo fantástico e o regionalismo -, Rulfo se destaca pela sua habilidade em contar uma história reunindo relatos e lembranças.

De enredo conciso e preciso, o único romance de Juan Rulfo trata da promessa feita por Juan Preciado à mãe moribunda. O rapaz sai em busca do pai, Pedro Páramo, um lendário assassino. No caminho, encontra impressionantes personagens repletos de memórias, que lhe falam da crueldade implacável de seu pai.

Em sua estrutura não há uma linha temporal exata, tampouco um narrador fixo. Juan Rulfo nos leva a mergulhar e a nos dissolver no turbilhão dos sentimentos de todo um povoado, em torno desse grande homem. Alegoricamente, o romance é o México ferido, que grita suas chagas e suas revoluções, por meio de uma aldeia seca, onde apenas os mortos sobrevivem para narrar os horrores de sua história e política."



UMA HISTÓRIA CONTADA POR SUSSUROS QUE TRANSMITEM SILÊNCIO


💀"Ouvia de vez em quando o som das palavras, e notava a diferença. Porque as palavras que havia ouvido até então, e só então fiquei sabendo, não tinham nenhum som, não soavam; sentiam-se; mas sem som, como as que se ouvem durante os sonhos."


Uma promessa no leito de morte de sua mãe, leva Juan Preciado até Comala, uma cidade mexicana bem pequena, à procura de seu pai, Pedro Páramo.


Em sua jornada, Juan conhece pessoas que tinham alguma ligação com seu pai. E é através dessas conversas que a figura poderosa de Pedro Páramo vai se formando.


Pedro Páramo é um grande fazendeiro. Toda a cidade é movida pela renda de sua fazenda. Basicamente, ele é o dono de Comala. Quase todas as mulheres, com consentimento ou não engravidaram de Pedro. Aos poucos, vamos descobrindo todas as crueldades cometidas por esse homem. E também descobrimos o motivo de tamanha vingança.

Juan Preciado é um dos principais narradores da história. Mas a narração as vezes muda para terceira pessoa e descobrimos mais sobre a infância de Pedro.


Rulfo usa em sua escrita uma linguagem direta onde trabalha muito a oralidade. Nessa obra o tempo é irrelevante e difícil de distinguir. O presente e o passado acontecem ao mesmo tempo. A história é formada como se fosse um quebra-cabeça, e assim que as peças começam a se encaixar, somos arrebatados por sua força e fica impossível largar. É uma leitura desafiadora, que exige atenção. E tenha certeza que esse é daqueles livros que oferecem, a cada releitura, novas mensagens e revelam novos segredos.


💀"Este mundo, que nos dilacera por todos os lados que vai esvaziando punhados de nosso pó aqui e acolá, desfazendo-nos em pedaços como se regasse a terra com nosso sangue."


Apesar de ser um livro regionalista, os temas abordados são universais. Uma história desoladora sobre a decadência de um povoado, sobre a desesperança e a culpa.


Comala acaba funcionando como uma vila alegórica da tragédia latino americana que foi e continua sendo marcada pela pobreza, pela desigualdade, pela exploração e pelas violências extremas.


Uma das maiores obras de língua hispânica de todos os tempos. Inspirou Gabo, Llosa, Borges, e outros.


Deixe Rulfo inspirar e encantar você também.


Beijos, um ótimo voo a todos e até a próxima!📚💕

Colabore com o blog: apoia.se/voandocomlivros




49 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo