Agnes Grey - Resenha

Título - Agnes Grey
Autora - Anne Brontë
Tradução - Paulo Cézar Castanheira
Editora - Martin Claret
Gênero - Romance
Páginas - 288
Local - São Paulo, 2015
ISBN - 978-85-440-0039-7
Classificação - ⭐⭐⭐⭐


Sinopse - "Agnes Grey, de Anne Brontë. Publicado em 1850, o romance ultrapassa a Era Vitoriana com sua temática realista. A caçula da família Brontë não fica atrás de suas outras irmãs escritoras, Charlotte e Emily, ao criar uma protagonista disposta a enfrentar as convenções sociais da época e se firmar como uma mulher corajosa e dona de si, diferente de muitas mocinhas românticas de então. A obra narra a trajetória de Agnes, governanta de famílias da classe aristocrática inglesa, suas lutas, questionamentos e claro, sua relação com o amor. Leitura imperdível para os apaixonados pelas outras irmãs Brontë e pela produção literária inglesa."

Esse romance de formação conta a trajetória de Agnes Grey como governanta. Foi escrito na Era Vitoriana e tinha o intuito de instruir jovens  a ter boas maneiras e encontrar a felicidade.

"Agnes Grey" foi a primeira obra de Anne Brontë publicada com seu pseudônimo masculino, Acton Bell. Um romance leve,  fácil e gostoso de ler. Apesar de Anne não ter se aventurado com reviravoltas e mistérios como fez sua irmã Charlotte em "Jane Eyre", "Agnes Grey" tem seus encantos: personagens envolventes e bem trabalhados, além de mensagens importantes para a época. 

Ao ler livros de época, é sempre importante ter em mente que as vivências eram totalmente diferentes do que temos hoje. Mesmo assim, Anne, assim como suas irmãs, rompeu barreiras e deixou registrado, na literatura, temas importantes como a independência feminina, o combate aos maus tratos aos animais, religião e principalmente o amor próprio. Porém esse romance não tem o foco em um amor de homem e mulher, mas sim em um amor pela busca do "eu", da própria liberdade.

É um livro, em partes, autobiografado. Portanto, conhecer Agnes é conhecer um pouco de Anne, uma mulher destemida e valorosa. Em seus conflitos internos é possível perceber suas fraquezas e sua luta por superá-las.

Não é o meu livro preferido das irmãs Brontë, mas sem dúvida eu recomendo. É uma leitura deliciosa, calma e relaxante que, com certeza, vai aquecer seu coração.


"Todas as histórias verdadeiras contêm ensinamentos; em algumas, entretanto, o tesouro pode ser difícil de encontrar e, quando encontrado, se mostra tão insignificante que o fruto seco e murcho mal compensa o trabalho de quebrar a noz."


Beijos, um ótimo voo a todos e até a próxima!💖📚





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resumo - Prisioneiro B-3087

Resumo - Labirinto dos ossos

O mistério do Capiongo - Resenha