Resumo - Fahrenheit 451

Título - Fahrenheit 451
Autor - Ray Bradbury
Tradutor - Cid Knipel
Editora - Globo (Biblioteca Azul)
Páginas - 216
Gênero - Distopia
Local - São Paulo, 2012
ISBN - 978-85-250-5224-7
Classificação - ⭐⭐⭐⭐⭐💖


Sinopse (orelha) - "Imagine uma época em que os livros configuram uma ameaça ao sistema, uma sociedade onde eles são proibidos. Para exterminá-los, basta chamar os bombeiros - profissionais que outrora se dedicavam à extinção de incêndios, mas que agora são os responsáveis pela manutenção da ordem, queimando publicações e impedindo que o conhecimento se dissemine como praga. Para coroar a alienação em que vive essa nova sociedade, as casas são dotadas de televisores que ocupam paredes inteiras de cômodos, e exibem "famílias" com as quais se pode dialogar, como se estas fossem de fato reais.
Este é o cenário em que vive Guy Montag, bombeiro que atravessa séria crise ideológica. Sua esposa passa o dia entretida com seus "parentes televisivos", enquanto ele trabalha arduamente. Sua vida vazia é transformada quando ele conhece a vizinha Clarisse, uma adolescente que reflete sobre o mundo à sua volta e que o instiga a fazer o mesmo. O sumiço misterioso de Clarisse leva Montag a se rebelar contra a política estabelecida, e ele passa a esconder livros em sua própria casa. Denunciado por sua ousadia, é obrigado a mudar de tática e a buscar aliados na luta pela preservação do pensamento e da memória."


Um clássico atemporal de tirar o fôlego! Uma distopia escrita em plena Guerra Fria, que apresenta uma crítica à repressão política e à superficialidade da era imagética que nos assombra cada dia mais! 

Em "Fahrenheit 451", os bombeiros não apagam incêndios, eles provocam! Em um tempo onde livros são proibidos e casas são à prova de fogo, os alarmes dos bombeiros tocam sempre que há suspeita da existência de livros em algum lugar. Prontamente, os bombeiros partem para acionar suas mangueiras repletas de querosene e dizimar cada vestígio deixado pelos livros! 
Para nós, leitores, Ray Bradbury transformou seu romance em um livro de terror! Cada página é um desespero!

Acompanhar a trajetória do nosso herói, Montag, não é tarefa fácil! Será que ele conseguirá encontrar uma solução para salvar o mundo dos livros?

Só de pensar na inexistência de bibliotecas, já fico triste! Imagine ter que queimar todos os meus livros!😥




Os personagens que trilham essa história são:

👨🏻‍🚒MONTAG - protagonista, bombeiro dedicado em suas tarefas, até encontrar...


👧🏻CLARISSE - uma adolescente encantadora, curiosa, interessada pela vida, era capaz de captar os pensamentos e receios mais íntimos das pessoas. Despertou em Montag incertezas e reflexões.


👩🏻MILDRED - esposa de Montag. Após uma tentativa de suícido, Mildred recebe um tratamento revolucionário que a transforma em uma nova pessoa. Totalmente submersa ao mundo televisivo, não consegue enxergar, ou melhor, não quer ver o que acontece diante dos seus olhos! Irritante, minha vontade era entrar no livro e dar um chacoalhão nela.


🧓🏻FABER - professor de inglês aposentado. Um verdadeiro apaixonado pelos livros! Apesar de todo medo que abalava seus ossos, usou sua inteligência contra o sistema na tentativa de ajudar Montag.


👨🏽‍🚒BEATTY - Chefe dos bombeiros. Extremamente inteligente, usa seus conhecimentos (provavelmente retirados da leitura) para persuadir a todos.


"Onde se lançam livros às chamas, acaba-se por queimar também aos homens".



Um livro maravilhoso, com uma escrita digna de clássicos! Super recomendado!😉💖


📢ATENÇÃO! Abaixo você encontrará o resumo do livro! 🚨Contém SPOILER🚨


PRIMEIRA PARTE - a lareira e a salamandra

"Se te derem papel pautado, escreve de trás para frente."

Uma sociedade proibida de ler livros, imersa ao mundo televisivo. Seres pensantes eram considerados estranhos e excluídos socialmente. Uma época em que casas eram à prova de fogo e bombeiros não eram chamados para apagar incêndios, mas sim, para queimar residências que escondessem livros.

Montag era um bombeiro esforçado, após um dia normal de trabalho transformando livros em cinzas, sentia-se satisfeito e orgulhoso de si mesmo. A caminho de casa, encontrou Clarisse, uma adolescente fascinada pelo mundo. Eles eram vizinhos, então foram caminhando juntos e conversando. Clarisse "parecia hipnotizada pela salamandra em seu braço e o disco da fênix em seu peito". 
Não era normal as pessoas andarem pelas ruas a esmo, geralmente ficavam em casa assistindo televisão. Por esse motivo, o bombeiro estava muito intrigado com a jovem. Seu espanto só aumentava cada vez que a jovem abria a boca para falar alguma coisa, como por exemplo: "É verdade que antigamente os bombeiros apagavam incêndios em vez de começá-los?", "Uma vez me disseram que, muito tempo atrás, as casas pegavam fogo por acidente e as pessoas precisavam dos bombeiros para deter as chamas." Montag ria desses comentários, que para ele eram absurdos. Até que veio a pergunta "Você é feliz?"
Apesar de transtornado com a conversa que teve com a jovem vizinha, Montag se identificou com Clarisse e começou a pensar que no fundo a garota podia ter razão. Nesse momento nasceu uma linda amizade.

Ao chegar em casa, Montag encontra a esposa, Mildred, praticamente morta. Ela engoliu trinta pílulas para dormir. Montag ligou para o Hospital de Emergência e alguns minutos depois, dois caras estavam em sua casa, com uma máquina revolucionária fazendo uma limpeza geral em Mildred. Uma máquina esvaziava todo seu estômago e outra tratava de drenar e substituir todo seu sangue e linfa.
Era um mundo muito triste, nove a dez casos como o de Mildred aconteciam todas as noites.

O Sabujo Mecânico era uma espécie de abelha gigante, um robô programado para matar. Ele não gostava muito de Montag, rosnava e tentava atacar. Talvez alguém contou para o Sabujo o que Montag escondia na grade do ventilador em sua casa (provavelmente livros, não?)

Montag continuava encontrando Clarisse pela cidade, sempre conversavam. A garota dizia que às vezes era uma velha e falava como tal. Tinha medo das crianças de sua idade, elas se matavam entre si. Clarisse sempre falava sobre seu tio, ele era uma pessoa extraordinária. 

E então, Clarisse desapareceu. Um tempo depois, Mildred contou para Montag que a garota foi atropelada e morreu.
Era uma época em que as pessoas não podiam dirigir devagar apreciando a paisagem. Os carros só andavam em altíssima velocidade e qualquer atropelamento era fatal.

O livro de regras que continha histórias resumidas sobre os Bombeiros da América não era proibido. Nele, era possível ler as seguintes palavras:

"Fundado em 1790 para queimar livros de influência inglesa nas colônias.
Primeiro Bombeiro: Benjamim Franklin

1ª REGRA. Atenda prontamente ao alarme.
2ª REGRA. Comece o fogo rapidamente.
3ª REGRA. Queime tudo.
4ª REGRA. Reporte-se imediatamente ao posto dos bombeiros.
5ª REGRA. Fique sempre alerta a outros alarmes. 

O alarme tocou mais uma vez, agora deveriam queimar a casa e os livros da senhora Blake. Os livros estavam no sótão, um mundo de livros desmoronava sobre Montag, ele teve tempo de ler uma única linha: "O tempo adormeceu ao sol da tarde". Sua mente brilhou e no meio da correria, agarrou um livro e apertou em sua axila suada. A senhora Blake se recusou em deixar a casa e queimou com seus livros. Isso deixou Montag ainda mais transtornado. O que os livros tinham para fazer uma pessoa querer morrer com eles?

Mildred não dava atenção ao marido, ela só interagia com a sua "família" televisiva que aparecia nas grandes telas em sua sala. Montag sentia que ela era outra pessoa, uma total estranha. Mesmo assim, resolveu compartilhar seu segredo com a esposa, abriu a grade do ventilador e tirou uns vinte livros que estavam escondidos lá. Mildred ficou aterrorizada.

Beatty, o chefe dos Bombeiros, sabia que Montag tinha roubado um livro na casa da senhora Blake e deu uma chance para ele devolver. Era uma Bíblia.

SEGUNDA PARTE - A peneira e a areia

Sem amigos, sem Clarisse e com uma esposa alienada, Montag resolveu pedir ajuda para um velho conhecido, um professor de inglês aposentado. Faber morava sozinho e era um apaixonado pelos livros. Era muito medroso, mas muito inteligente, e usou sua inteligência para elaborar uma espécie de rádio transmissor. Com a engenharia de Faber, os dois amigos podiam se comunicar a qualquer distância. E assim, os dois entraram em acordo, tentariam salvar os livros, mudar a sociedade em que viviam. O plano era roubar livros, plantar na casa dos bombeiros e acionar o alarme. Será que funcionou?

Mildred estava com três amigas assistindo um programa nas telas televisivas, quando Montag, não aguentando mais os absurdos ditos pelas mulheres, explodiu, pegou um livro de poemas e começou a ler. Quando terminou uma das mulheres chorava sem parar, ficaram todas horrorizadas e foram embora prometendo não voltar mais. Enquanto Montag cometia seu ato impulsivo, Faber gritava em sua orelha, implorando ao amigo para que parasse, dizendo que seu ato colocaria todo plano em risco. 

TERCEIRA PARTE - o brilho incendiário

Montag voltou ao trabalho e entregou o livro que tinha roubado na casa da senhora Blake, na verdade ele entregou outro livro no lugar da bíblia, deixou a Bíblia na casa de Faber. 

Naquela noite o alarme tocou, e quando chegaram no endereço, Montag percebeu que sua casa tinha sido denunciada, e o pior, por sua própria esposa. Mildred foi embora em um táxi antes que Montag pudesse falar alguma coisa.

Beatty entregou um lança-chamas para Montag e ordenou que fizesse todo o serviço sozinho, quando terminasse estaria preso. Enquanto a casa e os livros pegavam fogo, Beatty percebeu que Montag tinha um rádio transmissor. Pegou os fones a força e avisou que rastrearia até encontrar Faber. Foi nesse momento que Montag assassinou o chefe dos bombeiros com um grande jato de fogo do lança-chamas. Acertou a cabeça dos outros dois bombeiros que olhavam admirados. Lutou bravamente com o Sabujo Mecânico, parte do veneno foi aplicado em umas de suas pernas até que conseguiu atingir o robô  com as chamas. Com uma das pernas dormentes, Montag procurou e encontrou alguns livros que tinha escondido no jardim, só então, fugiu para casa do Amigo Faber. 

Antes de chegar à casa de Faber, passou na casa do bombeiro Black, deixou os livros na varanda e acionou o alarme. Em minutos as sirenes já estavam tocando para queimar o próximo alvo. A casa de mais um bombeiro.

O governo começou uma busca para encontrar Montag, outro Sabujo foi enviado na caçada. Faber passou todas as instruções para a fuga do amigo, em breve ele também sairia da cidade, criou coragem para se encontrar com um gráfico aposentado em St. Louis. 

Montag partiu correndo, tentando despistar seu cheiro para não atrair o robô farejador. Quando chegou ao rio, encontrou andarilhos. Homens que viviam para manter a memória dos livros viva. Cada livro é um homem, cada homem é um livro. Os andarilhos decoravam as obras, quando os livros faziam parte deles, eles queimavam todas as páginas para não correrem o risco de serem pegos. Granger era um desses homens, acolheu e ajudou Montag. Continuaram caminhando pelos trilhos próximos ao rio. A guerra se aproximava. Uma guerra que ninguém percebia. Uma cidade totalmente alienada, não enxergava nada além do que era falado nas televisões. 

Montag viu a guerra chegando, começando e terminando em minutos. Uma cidade dizimada. Ele tentou gritar para Clarisse, para Faber e para Mildred, gritou "corram". Então lembrou que Clarisse não estava mais lá, estava morta. Faber também não estava mais na cidade, estava em St. Louis. Só Mildred estava na cidade, mas ela só escutava sua "família" fictícia.

Depois que a guerra acabou, Montag se levantou, lembrou do livro que tinha lido e falou aos seu novos amigos. Montag agora era Eclesiastes, e seria todos os próximos livros que leria.


FIM
_____________________________________________________________________




CURIOSIDADES

Título - 451º Fahrenheit ou 250º Celsius é a temperatura necessária para queimar o papel. Genial neh!😃

Salamandra - símbolo que Montag carrega em seu uniforme e carro dos bombeiros que carrega querosene. A salamandra, além de ser um anfíbio, também pode significar: operário que, nas fundições e nas oficinas mecânicas, entra nas caldeiras quentes para consertá-las, ou o que, nos poços de petróleo incediados, procura apagar o fogo; e o que na minha opinião mais combina com o livro - espécie de estufa móvel, para aquecimento de ambientes domésticos.

Fênix - insígnia do quepe do capitão Beatty. Da Mitologia Grega, significa ave fabulosa, única da espécie, que, após viver 300 anos, supostamente, se deixava arder em um braseiro para, em seguida, renascer das próprias cinzas. A ligação do significado da Fênix com o que acontece com o personagem no livro é fascinante.

Criaram uma versão do livro que você precisa queimar as páginas para conseguir ler. Insano neh!😅 Infelizmente não está disponível para vendas. Assista ao vídeo👇 e sofra também... hahaha...




Sobre o autor - Ray Bradbury , ganhador da Medalha da Fundação Nacional do Livro de 2000 pela Distinta Contribuição às Cartas Americanas, da Medalha Nacional de Artes de 2004 e da Menção Especial do Prêmio Pulitzer de 2007, faleceu em 5 de junho de 2012 aos 91 anos de idade. Ele morava em Los Angeles.
Em uma carreira de mais de setenta anos, Ray Bradbury inspirou gerações de leitores a sonhar, pensar e criar. Um autor prolífico de centenas de contos e perto de cinquenta livros, bem como inúmeros poemas, ensaios, óperas, peças de teatro, teleplays e roteiros, Bradbury foi um dos escritores mais célebres do nosso tempo. Seus trabalhos inovadores incluem Fahrenheit 451, The Martian Chronicles, The Illustrated Man, Dandelion Wine e Something Wicked. Ele escreveu a peça de teatro para a adaptação cinematográfica clássica de Moby Dick, de John Huston, e foi indicado ao Oscar. Ele adaptou sessenta e cinco de suas histórias para o programa de televisão The Ray Bradbury Theatre e ganhou um Emmy por seu teleplay de The Halloween Tree. Em 2005, Bradbury publicou um livro de ensaios intitulado Bradbury Speaks, no qual escreveu: "Nos meus últimos anos, olhei-me no espelho todos os dias e encontrei uma pessoa feliz olhando para trás. Ocasionalmente me pergunto por que posso ser tão feliz. A resposta é que todos os dias da minha vida trabalhei apenas para mim e para a alegria que vem da escrita e da criação. A imagem no meu espelho não é otimista, mas o resultado de um comportamento ideal."

Livros são a essência do conhecimento, uma nação repleta de leitores vorazes é uma nação desenvolvida. Por favor, leiam!

Beijos, um ótimo voo a todos e até a próxima!📚💖

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resumo - Prisioneiro B-3087

Resumo - Labirinto dos ossos

O mistério do Capiongo - Resenha